Primavera na Europa: o que levar na mala?

Primavera na Europa: o que levar na mala?

Não curto muito escrever posts sobre o que levo na mala, que tipo de mala, tipo de calçado, acessórios, etc e tal porque acho que é algo muito pessoal e que cada um sabe o que é importante levar ou não. Mas tenho recebido emails pedindo dicas do que levar de imprescindível na mala para 15, 20 dias de férias.

Ok. vou falar resumidamente sobre a bagagem que levei nesta mais recente viagem a Europa.

Como fomos na Primavera, mês de maio, a variação de temperatura era bem grande. Eu já sabia disso porque quase sempre viajo para Europa na Primavera e sabia que ia pegar essa variação. E não deu outra, começamos a viagem por Budapeste na Hungria com uma média de 25 graus e dias ensolarados e terminamos em Paris com chuva e média de 9 graus. Isso quer dizer que tive que levar desde camisetas até casacos de lã nessa viagem. Na primavera o tempo é BEM imprevisível, você pode pegar sol e calor e no dia seguinte um frio danado. Nada que seja insuportável ou que te impeça de fazer os passeios mas para nós que moramos em um país tropical, 9 graus é bem frio.

Sempre priorizo roupas e calçados confortáveis, andamos muito e conforto é prioridade. Ah! Os calçados! Esse item é muito importante! Tão importante quanto a farmacinha que temos que levar sempre. Nessa viagem eu levei três pares. Dois tênis e uma bota de cano curto.

Um tênis mais esportivo para dias que não tinha chuva porque ele tem partes em tecido para facilitar a evaporação do suor e manter a temperatura agradável nos pés.

Um tênis todo em couro para dias mais frios e/ou chuvosos que funcionou super com praticamente todas as roupas que levei porque ele é discreto, quentinho e confortável. Eu o chamo de ‘pretinho básico”.

 E uma mistura de tênis e bota em camurça para longas caminhadas. Manteve os pés quentinhos e secos nos dias mais frios.

Todos os três são muito confortáveis e eu não tive problemas com bolhas, dores, calos, nada além daquela dor muscular do excesso de caminhada.

Há muitos anos que só compro tênis da Nike. Não é propaganda, já testei Mizuno, Puma, Adidas, mas a forma da Nike é a que os meus pés melhor se adaptam. A bota eu comprei na Outer, uma loja com um design de calçados incrível, uma proposta diferente, elegante e hiper confortável. Senti falta apenas de um sapato melhor para ir ao Balé na Ópera de Praga, mas como usaria sapato apenas nessa vez, resolvi não levar e deixar espaço na mala para outros itens.

Levei agasalhos de lã e nylon. Um mais pesado e os outros três mais leves, sendo dois de lã e um trench coat que eu ia compondo e ganhando opções diferentes. Levei três calças jeans com lavagens diferentes e uma de nylon que usei nos dias de deslocamento de um país para outro porque não suporto viajar e ficar horas sentada com uma calça apertada. Levei também pares de meias que vão até o joelho, o que foi ótimo porque não senti frio “nas canelas” nenhum dia. Rsrsrs

 Leste europeu2013 1016

 Gorro e cachecol não tem como deixar de levar. Até porque se você deixar para comprar lá, corre o risco de não encontrar, porque na primavera as roupas de inverno não estão mais nas lojas… Se quiser, deixe para comprar uns lenços por lá pra variar o look diário.

E a mala, né? Eu sempre, digo SEMPRE viajo com uma mala média.  Na verdade, ela é que define o que eu posso levar ou deixar em casa. A mala média precisa ser o suficiente porque é o tamanho e o peso que você poderá  carregar sem problemas, lembre-se que muitas vezes você utilizará o transporte público e não terá carregador de malas a disposição.

Como mala de mão, eu levo uma mochila para netbook, máquina fotográfica, cabos etc e uma bolsa média tiracolo com os documentos e necessaire básica.

Quando estou arrumando a mala, eu lembro sempre daquela frase: LEVE SOMENTE O QUE PODERÁ CARREGAR.

Sou como você ou nem tanto. Gosto de viajar, conhecer lugares novos, me divertir e sem gastar muito. Na faixa dos 30, carioca, museóloga, aprendiz de fotógrafa, viajante desde muito tempo, sempre atrás de boa comida, conhecedora experiente de chocolates, fã de cachorros e viciada em museus.