Minha experiência com o AIRBNB

Olá pípol!

Ainda não tinha escrito sobre o AIRBNB e minha experiência  de alugar um apartamento pelo site. Bom, a  hora chegou!!

Eu sempre acompanhei o crescimento do airbnb e tinha vontade de experimentar, foi quando decidi utilizar o serviço e alugar um apartamento em Paris. Como vou todos os anos para lá, já estava na linha de apart-hotel, assim tinha espaço para cozinhar umas comidinhas, fazer o café da manhã e ter mais liberdade, além de ficar bem mais econômico, pois alimentação em Paris, assim como hospedagem, é muito cara. Então, para não deixar uma fortuna por lá e abrir mão de alguns passeios, resolvi que era a hora de arriscar e alugar um apartamento pelo site.

Claro que existem outros vários sites que alugam apartamentos mas os valores são bem altos e dotados de um luxo que eu não preciso. Pelo airbnb, é possível alugar casas, apartamentos, lofts, stúdios de todos os tamanhos, valores  e em qualquer lugar de Paris e do mundo.

Como escolher o apartamento ideal

Antes de começar a pesquisar no site, é bom ter ideia do bairro em que quer se hospedar, para então começar a usar os filtros que o site dispõe. Números de pessoas, quartos, utensílios, acessibilidade, enfim, tudo que você precisa para tornar a sua estadia tranquila e feliz!

Pois bem, posso falar que minha escolha em Paris foi uma surpresa e tanto! Apesar de saber que existem relatos de experiências não tão felizes, eu confio bastante no site porque eles não te “abandonam” depois de finalizado o processo de aluguel. Isso é importante, ter alguém e onde recorrer caso algo dê errado. Mas mesmo assim, ainda fui meio desconfiada.

A primeira coisa que fiz, foi fazer uma lista dos possíveis apartamentos que eu poderia alugar, selecionei todos e mandei email para todos os moradores. E todos, sem exceção, responderam! Fiz perguntas sobre a disponibilidade no período, como era o entorno do apartamento, enfim, fui tentando criar uma proximidade com aqueles que se mostraram disponíveis. Foram muitos emails, muitas perguntas, desde se havia mercado e farmácia perto até se a vizinhança era tranquila. Aí, fui eliminando as possibilidades, até ficar com uns três apartamentos para escolher. Mas não pense que eu estava super tranquila e empolgada porque não é verdade, a desconfiança, mesmo que fosse mínima, ainda existia. Lógico, né? Imagina, ficar na casa de alguém que você nunca viu, em um país que não é o seu?!

Até que bati o martelo e decidi por um apartamento de quarto e sala no bairro do Marais, bairro que recomendo muito em termos de hospedagem, localização e serviços, Dá pra fazer muita coisa a pé e ter uma vida bem parisiense, indo à feira, tomar sol na pracinha…

Sobre o dono do apartamento

O dono do apartamento me deu todas as informações que eu precisava, foi muito atencioso e respondia minhas questões praticante ao mesmo tempo em que eu perguntava. Tratava-se de um cubano, naturalizado francês, que viajava muito e alugava o apartamento quando estava fora. Um apartamento simples mas todo equipado, com banheiro reformado e em um predinho secular mas muito seguro.

Dias antes da nossa chegada, ele me mandou um email, informando que não estaria presente no dia da entrega da chave mas que a mãe  estaria lá e era para eu ficar despreocupada porque ela daria toda atenção necessária.  E assim foi.

Chegamos com as malas, digitamos a senha da porta do prédio, enviada anteriormente pelo dono e subimos as escadas, toquei a campainha e lá estava uma senhora muito simpática, misturando um portunhol com francês e inglês. Nos mostrou como tudo funcionava no apartamento; aquecimento, senhas do wifi, senhas da portaria e ainda deixou seu telefone e endereço caso precisássemos de algo. A primeira impressão foi melhor do que a das fotos. Um apartamento limpo, arejado, equipado, confortável, exatamente como eu queria!

Durante a estadia, não tivemos problemas, apenas um dia em que o aquecedor da água não deu conta de três adultos tomando banho seguidamente e utilizando água quente na torneira da pia da cozinha. Mandei um email para o dono do apartamento e ele prontamente respondeu, dizendo que o aquecedor por ser pequeno, poderia não estar dando conta. Fato. no dia seguinte, organizamos melhor a rotina e deu tudo certo.

Uma relação de troca

Não é porque você “está pagando” que você não vai ter cuidado. Pense que você está hospedado na casa de alguém, conhecendo a intimidade de alguém, dormindo na cama de alguém e utilizando os objetos de alguém. Portanto, a regra principal é: cuide da casa como se fosse a sua! Se quebrar, substitua, Se sujar, limpe. Reponha o que foi usado e não foi comprado por você. Seja gentil e deixe uma lembrança para o anfitrião.

Para nós aqui de casa, foi uma escolha muito acertada. Poder fazer as refeições em casa, ver televisão, navegar na internet, frequentar o mercadinho, levar uma vida como um bom parisiense foi maravilhoso. Me senti em casa, mesmo. Não posso reclamar nem um pouco da minha estadia e digo logo, voltarei a alugar este mesmo apartamento enquanto ele estiver disponível.

Caso você tenha se interessado, o apartamento é este aqui. Por questões de privacidade, não tirei foto da entrada do prédio.

img_1886 img_1887  img_1889 img_1890 img_1891 

(ATUALIZAÇÃO: PESSOAL, O APARTAMENTO EM QUESTÃO NÃO ESTÁ MAIS DISPONÍVEL, PORÉM HÁ MUITAS OPÇÕES IGUALMENTE INTERESSANTES  E RECOMENDO ESTA EXPERIÊNCIA)

4 thoughts on “Minha experiência com o AIRBNB

  • 17/03 at 5:01 pm
    Permalink

    Oi Juliana! Estou querendo alugar um quarto pelo airbnb também, mas queria saber se é tranquilo apresentar essa reserva na imigração…Sabe me dizer?

    Reply
    • 17/03 at 5:37 pm
      Permalink

      Olá Erika, obrigada pela visita. Nunca precisei apresentar nada sobre aluguel de temporada na imigração. Sempre me cobraram a documentação do seguro-saúde além do passaporte, claro. Fora isso, nada mais.

      Boa viagem.

      Reply
  • 20/05 at 6:39 pm
    Permalink

    Oi Juliana, adoro Viagens & Diversão. Também sou museóloga. Bom uma curiosidade, Como conseguir tanto dinheiro para fazer tantas viagens? Pelas viagens maravilhosas que vc e seu marido fazem me parece impossível fazer o mesmo, a não ser se vocês forem ricos. Conta esta mágica. Como viajar pelo menos uma vez por ano para dois ou três lugares?
    Adoro tudo que você escreve. Parabéns. Eliane

    Reply
    • 20/05 at 9:22 pm
      Permalink

      Olá Eliana! Obrigada pela visita!
      Tudo é uma questão de prioridades e planejamento. Uma viagem começa a ser desenhada, pelo menos 6 meses antes. Muita pesquisa e vida simples.
      Forte abraço!
      Juliana

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: